Você sabe como surgiu esse símbolo feminista? MARISE CARNEIRO

18:52:00


Fala galera, tudo bem com vocês?

Há tempos venho pensando em fazer um post falando sobre essa imagem e o que ela representa. Hoje, dia internacional da mulher (08/03/2017), fiquei com vontade de escrever à respeito. Vi, ao longo do dia nas redes sociais algumas blogueiras com: lenço vermelho de bolinhas brancas na cabeça, mangas arregaçadas e mostrando o bíceps e com a seguinte frase: WE CAN DO IT (Nós Podemos Fazer Isso)... Você sabe o que essa bandana e esse gesto significam? Como surgiram? Com qual finalidade?

Imagem Pinterest

Com certeza você deve está afirmando que foi o símbolo do feminismo nos meados dos anos 80, certo? ERRADO! Não seu pensamento, e sim, a finalidade dessa imagem, que para sua surpresa, e também para minha, não foi feita com essa intenção.

Niina Secrets Blogueira


Durante a Segunda Guerra Mundial em 1943, nos Estados Unidos, foi um cartaz de propaganda criado por J. Howard Miller para fábrica Westinghouse Eletric Corporation, que pretendia recrutar trabalhadoras mulheres para ajudarem a produzir munições e suprimentos para a guerra. A mulher da imagem é uma personagem fictícia com o nome de Rosie the Riveter (Rosie, a Rebitadeira) popularizada em uma canção https://www.youtube.com/watch?v=55NCElsbjeQ criada 1 ano antes, em 1942.

Imagem Pinterest

A personagem foi inspirada na operária modelo: Geraldine Doyle, eficiente, leal e bonita, na época com 17 anos... O lenço era usada por ela na ocasião, na cor vermelha com bolhinhas brancas, e o uniforme de mangas na cor azul também.


Esse cartaz foi bem visto e reapropriado no pós - guerra pelos movimentos feministas para falar de direito das mulheres. Essa imagem é bem atemporal, pode passar anos e anos que será comentada, falada e principalmente debatida! É uma imagem forte que nos diz que: PODEMOS SIM, BASTA QUERERMOS!

Contudo, só soube que era ela na propaganda em 1984, anos depois... Doyle, morreu em 2010 aos 86 anos em Lansing Michigan




Referências:





Você também pode gostar

0 comentários